Está aberta votação pela internet para que o eleitores possam eleger os melhores parlamentares do Brasil. O Dep. Fed. Vicentinho já foi pré-selecionado por um comitê jornalístico. Agora é a vez dos internautas votarem e fazerem valer sua opinião. Vamos eleger o Dep. por sua história de vida pública honrada e coerente com os princípios e valores éticos de uma política pública para todos.

 

Link para votação: http://www.premiocongressoemfoco.com.br/Voto.aspx

Vicentinho defende fim dos exames da OAB

Publicado: 03/09/2011 em Sem categoria

A Comissão de Educação e Cultura realiza audiência pública nesta quinta-feira, 12 de maio, para discutir a obrigatoriedade do exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para os bacharéis em Direito. Entre os pontos considerados controversos pelos parlamentares, estão os critérios de elaboração das provas, o conteúdo do exame e o custo elevado da taxa de inscrição, que dificulta a participação de estudantes de baixa renda. Direto do Corredor das Comissões, o deputado Vicentinho (PT-SP) defende o fim do exame da OAB.

Créditos/ Câmara Hoje

Ana Chalub – repórter

Dep. Vicentinho (PT-SP)

Fonte: http://www2.camara.gov.br/tv/materias/CAMARA-HOJE/196969-VICENTINHO-DEFENDE-FIM-DOS-EXAMES-DA-OAB.html

Vicentinho derrota revista Veja na Justiça

Publicado: 03/09/2011 em Sem categoria

O deputado federal Vicentinho (PT-SP) derrotou, na última segunda-feira (22), a revista Veja na Justiça. Alvo de uma reportagem caluniosa que ligava sua imagem à de organizações terroristas, publicada no site do veículo no dia 11 de abril deste ano, o acariense entrou com processo no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) e obteve reconhecimento do caso.
Em sua decisão, o juiz Enilton Alves Fernandes escreveu: “defiro o pedido de antecipação dos efeitos da tutela, para determinar à requerida que conceda ao autor o direito de resposta à matéria intitulada “Terror e Poder”, publicada em 11/4/2011. A resposta deve ser publicada na edição da Revista Veja imediatamente seguinte à intimação da ré, com o igual destaque concedido àquela matéria, na mesma seção, com fonte idêntica, devendo o requerente limitar-se a fazer afirmações objetivas, vedando-se a emissão de opiniões depreciativas ou acusações ao requerido. Para o caso de descumprimento da obrigação, fixo pena de multa diária de R$ 2.000,00 (dois mil reais).”

Evento sobre Meio Ambiente e a relação com o Trabalho

Publicado: 03/09/2011 em Sem categoria

Poesia

Publicado: 13/06/2011 em Sem categoria
Tags:,

Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Vinícius de Moraes

Poesia

Publicado: 13/06/2011 em Sem categoria
Tags:,

Soneto do Amor Total

Amo-te tanto, meu amor … não cante
O humano coração com mais verdade …
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinícius de Moraes

Poesia

Publicado: 13/06/2011 em Sem categoria
Tags:,

Ternura

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor
seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentando
Pela graça indizível
dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura
dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer
que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras
dos véus da alma…
É um sossego, uma unção,
um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta,
muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite
encontrem sem fatalidade
o olhar estático da aurora.

Vinícius de Moraes