Sofrimento mental e formas de tratamento

Publicado: 31/01/2010 em Reforma da Saúde Mental
Tags:, ,

Uma das formas mais prevalentes na atualidade de sofrimento mental é a depressão. Neste estado a pessoa comumente sente-se perdida diante dos afazeres e situações do dia-a-dia, requerendo ajuda profissional para reorganizar-se bio-psico-socialmente.

Com este olhar bio-psico-social temos em mente que um trabalho terapêutico à pessoa deprimida deve levar em conta fatores destas três ordens. Sendo assim, três frentes de tratamento podem complementar-se para uma maior eficácia e agilidade no retorno desta pessoa a seu estado natural.

Alguns pontos são importantes:

1. É o primeiro episódio depressivo ao longo da vida?

2. Há quanto tempo dura este episódio?

3. O estado de falta de energia e desânimo ocorre apenas em um ambiente ou em vários? (ex. casa, trabalho, escola…)

Há outros pontos relevantes para um traçado ideal de tratamento mas fiquemos com estes por enquanto para construção de nossa linha de raciocínio.

Hoje em dia várias formas de intervenção, isoladas ou em conjunto, têm sido comprovadas como eficazes no tratamento para depressão. Podemos citar algumas delas:

1. Musicoterapia:

Uma meta-análise publicada na revista Cochrane Database of Systematic Reviews, jan, 2008 aponta que a música produz efeitos que influenciam e até mesmo podem modificar nosso humor, e inclusive nosso funcionamento em nível de neurotransmissores, ou seja, ouvir certos tipos de música podem e de fato mechem em nosso estado emocional. Isto pode e tem sido usado terapeuticamente. A musicoterapia é uma ciência em franca expansão de conhecimentos e resultados.

2. Psicoterapia

Propiciar um espaço para que o indivíduo possa refletir sobre si e reorganizar sua vida e sua relação com o mundo, esta é a meta e o propósito da psicoterapia. A psicoterapia pode seguir diversas linhas (escolas), mas o mais importante não é a abordagem do terapeuta e sim o tipo de vínculo que se estabelece entre este e o usuário do serviço. Um vínculo seguro, que viabilize ao indivíduo a possibilidade de descobrir e explorar novas formas de estar no mundo, com autonomia e integração social, é o mais sadio, segundo os estudos do eminente psiquiatra John Bowlby (1907-1990).

3. Farmacoterapia (alopatia)

A medicação alopática deve ser administrada com  máximo critério e discernimento, ela, em conjunto com a psicoterapia ou mesmo com a musicoterapia, pode aliviar o sofrimento do indivíduo pois que na depressão ocorre no organismo uma diminuição grande de captação de neurotransmissores, e é aí que o medicamento entra: em associação às outras formas de tratamento já citadas acelera a volta do organismo ao normal.

É o usuário quem deve escolher, em parceria com o profissional da saúde, as diretrizes de seu tratamento: ele deve ser esclarecido sobre todas as possibilidades para que possa optar pelo (s) tipo (s) de tratamento que mais lhe faz (em) sentido.

Outras formas de tratamento eficazes incluem a homeopatia e a acupuntura, ambas oferecidas também pelo SUS, mas falemos destas práticas em outro artigo, por hora, fiquemos com as informações aqui já contempladas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s