Redução de danos: estratégia de cuidado com populações vulneráveis na cidade de Santo André – SP

Silvia Moreira da SilvaI; Ana Lucia SpiassiII; Decio de Castro AlvesIII; Daniela de Jesus GuedesIV; Reinaldo de Oliveira LeigoV

IAssistente Social. Coordenadora da Unidade de Redução de Danos – Programa de Saúde Mental da Secretaria Municipal de Saúde de Santo André. Mestre em Enfermagem de Saúde Coletiva pela Faculdade de Enfermagem da Universidade de São Paulo
IISocióloga. Coordenadora do Núcleo de Prevenção em DST/AIDS da Secretaria Municipal da Saúde de Santo André. Pesquisadora do Centro de Estudos em Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina do ABC e mestranda em Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Endereço: Rua das Silveiras, 73, Vila Guiomar, CEP 09071-100, Santo André, SP, Brasil.
IIIPsicólogo. Coordenador do Programa de Saúde Mental da Secretaria de Saúde de Santo André
IVLicenciada em computação. Redutora de Danos da Unidade de Redução de Danos da Secretaria Municipal de Saúde de Santo André
VTécnico em Enfermagem. Redutor de Danos da Secretaria Municipal de Saúde de Santo André

RESUMO

A Unidade de Redução de Danos (URD) da Secretaria Municipal de Saúde de Santo André, compreendida como instrumento do serviço de saúde em atuação avançada, tem por finalidade transformar a situação de saúde de sujeitos que fazem parte de grupos sociais estigmatizados e, portanto, vulnerabilizados; são indivíduos que circulam ou trabalham nas ruas – usuários de drogas, michês, mulheres profissionais do sexo, homens que fazem sexo com homens, adolescentes em situação de exploração sexual, transexuais, travestis, lésbicas e mulheres que trabalham em casas de programas. Nosso objetivo é assegurar aos indivíduos desses grupos o direito à saúde e, baseados no princípio de Integralidade do SUS, apoiar o acesso a outros direitos sociais. Desde 2002, através do trabalho de campo, foi possibilitada a vinculação de 240 profissionais do sexo, 120 travestis, 10 crianças e adolescentes, 28 usuários de droga injetável e usuários de crack, que até então não tinham acesso aos recursos e dispositivos de saúde do Município.

Palavras-chave: Redução do dano; Drogas de abuso; Avaliação de serviços de saúde; Problemas sociais.

Artigo Completo: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902009000600018

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s